<i>"The Name of Our Country is América" - Simon Bolivar</i> The Narco News Bulletin<br><small>Reporting on the War on Drugs and Democracy from Latin America
 English | Español | Português | Italiano | Français | Deutsch | Nederlands November 19, 2017 | Issue #30


Making Cable News
Obsolete Since 2010


Troca Cores: blackwhiteabout colors

Imprima

Busca no Narco News

Narco News Issue #29
Complete Archives

Narco News is supported by The Fund for Authentic Journalism


Follow Narco_News on Twitter

Sign up for free email alerts list: English

Lista de alertas gratis:
Español


Contact:

Publisher:
Al Giordano


Opening Statement, April 18, 2000
¡Bienvenidos en Español!
Bem Vindos em Português!

Editorial Policy and Disclosures

Narco News is supported by:
The Fund for Authentic Journalism

Site Design: Dan Feder

All contents, unless otherwise noted, © 2000-2011 Al Giordano

The trademarks "Narco News," "The Narco News Bulletin," "School of Authentic Journalism," "Narco News TV" and NNTV © 2000-2011 Al Giordano

XML RSS 1.0

Lula diz para as Nações Ricas: “A fome não pode esperar”

O Narco News traduz o discurso do presidente do Brasil Lula da Silva realizado no encontro do G8 em Evian


Por Luiz Inácio Lula da Silva
Editorial Convidado

2 de junho 2003

Nota do Editor: Como primeiras palavras públicas antes de seu encontro dia 20 de junho em Washington, com o presidente dos Estados Unidos George W. Bush, o presidente do Brasil Lula da Silva fez um discurso no último domingo para os líderes do G8 – que inclui os seguintes países: Estados Unidos, França, Inglaterra, Alemanha, Rússia, Japão, Canadá e Itália – clamando para uma taxa internacional sob o comércio de armas, entre outras propostas, para acabar com a fome na terra e criar condições necessários para que o mundo possa resolver “especialmente, o narcotráfico e o terrorismo”.

O Narco News publica esse discurso histórico como um editorial convidado.

“Minhas primeiras palavras são de agradecimento à iniciativa do presidente Jacques Chirac. O diálogo dos países mais ricos do mundo com os países em desenvolvimento é hoje mais necessário do que nunca. Temos de trabalhar juntos. A solução de nossos problemas passa necessariamente pelo respeito às nossas diferenças. Venho de um país que se encontra hoje mobilizado por uma energia ético-política extraordinária, tanto para enfrentar nossos problemas internos como para estabelecer novas e mais construtivas parcerias internacionais.

A pobreza e a miséria que atingem milhões de homens e mulheres no Brasil, na América Latina, na África e na Ásia, nos obrigam a construir uma nova aliança contra a exclusão social. Estou convencido de que não haverá desenvolvimento econômico sem sustentabilidade social e que, sem ambos, teremos um mundo cada vez mais inseguro. É nesse espaço de desagregação social que prosperam os ressentimentos, a criminalidade e, em especial, o narcotráfico e o terrorismo.

Quero falar-lhes de forma simples e direta: venho propor-lhes ações coletivas, responsáveis e solidárias, em favor da superação das condições desumanas em que se encontra grande parcela da população do globo. A fome não pode esperar. É preciso enfrentá-la com medidas emergenciais e estruturais. Se todos assumirmos nossas responsabilidades, criaremos um ambiente de maior igualdade e de oportunidades para todos.

A economia mundial está dando sinais preocupantes de retração. Os problemas sociais, como o desemprego, inclusive nos países ricos, estão se agravando cada vez mais. Estou seguro de que um dos objetivos desta reunião do G8 é o de buscar caminhos para que a economia volte a crescer. Necessitamos uma nova equação que permita a retomada do crescimento e inclua os países em desenvolvimento. A incorporação dos países em desenvolvimento à economia global passa necessariamente pelo acesso sem discriminações aos mercados dos países ricos. Fizemos um enorme esforço e sacrifício para conquistar competitividade. Mas como competir livremente em meio à guerra de subsídios e outros mecanismos de proteção, que criam uma verdadeira exclusão comercial?

Não viemos aqui para nos lamentar, nem, simplesmente, para engrossar o coro das recriminações. Sabemos quais são nossas responsabilidades. Estamos fazendo a nossa parte, executando políticas econômicas equilibradas, combatendo o desperdício e a corrupção, aprimorando as instituições para o bom funcionamento de nossas economias. Temos demonstrado vontade política para combater os desequilíbrios sociais e a pobreza.

Estamos fazendo isso no Brasil com democracia e pluralismo, sem fundamentalismos, com cautela e firmeza. Estamos organizando nossas finanças e recuperando a estabilidade para crescer de modo sustentado. Mas sabemos que organizar e dar estabilidade a nossa economia é tarefa necessária, mas não suficiente. Necessitamos forjar um novo paradigma de desenvolvimento que combine estabilidade financeira com crescimento econômico e justiça social. Hoje queremos crescer com financiamento sustentável, distribuindo renda e fortalecendo a democracia.

Nenhuma teoria, por mais sofisticada que seja, pode ficar indiferente à miséria e à exclusão. Olhando a história contemporânea, sobretudo nos períodos que se seguiram a graves crises econômicas e sociais, vejo que o desenvolvimento deu-se a partir de profundas reformas sociais. Essas reformas incorporaram milhões de homens e mulheres à produção, ao consumo e à cidadania e criaram um novo e prolongado dinamismo econômico. Foi assim nos Estados Unidos a partir dos anos 30. Foi assim no pós-Segunda Guerra, na Europa.

O Brasil e muitos países em desenvolvimento fizeram, na última década, o esforço exigido pelas estratégias econômicas predominantes. Mas não houve avanços importantes no combate à exclusão social. Ao contrário, onde o fundamentalismo imperou não se alcançou a prometida estabilidade econômica. Aumentaram o desemprego, a fome e a miséria. Nossos sistemas produtivos não conquistaram espaços no comércio mundial correspondentes aos nossos sacrifícios. A falta de democracia econômica e social ameaçou a democracia como um todo.

Não queremos o olhar piedoso dos países ricos. Necessitamos soluções estruturais que devem fazer parte de um conjunto de mudanças na economia mundial. Esperamos coerência de nossos parceiros mais ricos. Vejo com preocupação as resistências na OMC para remover subsídios bilionários, principalmente à agricultura. Questões prioritárias -como a do acesso a medicamentos- são proteladas.

Essas atitudes não são construtivas e só aumentam o ceticismo em relação às boas intenções e à sabedoria dos mais prósperos. Temos de definir responsabilidades, o que implica também novas tarefas para os países em desenvolvimento. Os que dispõem de maior capacidade podem e devem executar políticas mais solidárias e generosas em favor das nações mais necessitadas. É isso que o Brasil está fazendo no plano regional.

Meu governo quer fortalecer o Mercosul e promover a integração da América Latina. Como afirmou o presidente Kirchner, da Argentina, são projetos estratégicos e políticos, orientados para melhoria das nossas condições de vida. O Brasil está disposto a aprofundar suas parcerias com os países da América do Sul e abrir mais espaço em nosso mercado às suas exportações. Novos mecanismos financeiros ajudarão a integração regional.

Sei que aqui vai se discutir o Nepad. De nossa parte, com a África, que visitarei em agosto próximo, vamos ampliar a cooperação especialmente em setores como saúde, educação, qualificação profissional e infra-estrutura. Os países da América Latina e do Caribe, que integram o Grupo do Rio, na recente Cúpula de Cuzco, incumbiram ao presidente Vicente Fox do México e a mim para que fôssemos seus porta-vozes aqui em Evian. Lá foram discutidos mecanismos inovadores de financiamento para combater a pobreza e investir em infra-estrutura.

Recomendo a meus colegas aqui presentes a leitura atenta dessas propostas. A fome é uma realidade intolerável. Sabemos que existem plenas condições para superar esse flagelo. Minha proposta -antecipada em Porto Alegre e Davos- é que seja criado um fundo mundial capaz de dar comida a quem tem fome e, ao mesmo tempo, de criar condições para acabar com as causas estruturais da fome. É o que estamos começando a fazer no Brasil. Há várias formas para gerar recursos para um fundo dessa natureza. Dou dois exemplos. O primeiro é a taxação do comércio internacional de armas -o que traria vantagens do ponto de vista econômico e ético. Outra possibilidade é criar mecanismos para estimular que os países ricos reinvistam nesse fundo percentagem dos juros pagos pelos países devedores. Alguns países desenvolvidos têm apresentado propostas para enfrentar esse problema. São iniciativas válidas, que merecem ser consideradas.

Caros colegas, o multilateralismo representa, no plano das relações internacionais, um avanço comparável ao da democracia em termos nacionais. Valorizá-lo é obrigação de toda nação comprometida com o progresso da civilização, independentemente de sua dimensão econômica e de seu peso político e militar. Temos que manter o diálogo, ampliando-o em bases duradouras, e não de forma episódica. Isso se aplica ao G8 e ao Conselho de Segurança das Nações Unidas.

A expectativa do Brasil é de que os países do G8 se tornem verdadeiros aliados no combate à fome e à exclusão social e na retomada da cooperação internacional para o desenvolvimento, condição indispensável para a segurança e a paz. Minha vida e trajetória política me fazem crer que as causas justas são vitoriosas quando há vontade, diálogo e negociação. Para que este inédito encontro de Evian atenda aos anseios legítimos de nossos povos -no Sul e no Norte- temos que demonstrar acima de tudo determinação no combate às desigualdades sociais.

Muito obrigado”.

Share |

Read this article in English
Lea Ud. el Artículo en Español

Discussion of this article from The Narcosphere


For more Narco News, click here.

The Narco News Bulletin: Reporting on the Drug War and Democracy from Latin America